Hoje



Há imagens que valem por mil palavras, mas há palavras que têm de se fazer valer.

(Im)possíveis


Não lhe faltava a vontade. Não lhe faltava o desejo. Não lhe faltava a paixão.
Queria ir ao seu encontro. Desejava correr para os seus braços.
Apaixonava-se mais a cada dia que passava.
Não havia longe. Não havia tempo. Não havia distância que o impedisse.

Dúvidas


Quantos gestos são necessários para escrever saudade?
Quantas palavras são precisas para dizer amor?
Quantos sonhos são necessários para viver?

Todos os gestos, mesmo os que não se vêem.
Todas as palavras, mesmo as que não se dizem.
Todos os sonhos, mesmo os que não se realizam.

Saudades



Saudades que nunca chegam a morrer nem nunca chegam a ser mortas.
Saudades que amordaçam um presente inexistente a um futuro incerto, preenchido pelo vazio do que nunca foi, do que não é, e do que poderá não ser.

Desencontros


Há caminhos que teimam em não se cruzar.
Mil tentativas. Os oceanos são largos e os continentes espessos.
Se há quem os atravesse para se encontrar, outros casos há em que se tornam uma barreira intransponível.

Ensemble





Viajo no odor do teu corpo,
reconhecendo cada milímetro de sabor.

Tacteio os teus sentimentos
tentando compreender o que os exalta.

Dedilho os nossos momentos e
faço-os renascer a cada instante.

Metáfora


Aproximou-se da porta com a lentidão própria do comodismo. Abriu-a e entrou. Estava escuro, frio mas confortável. Demasiado confortável... Começou por abrir o postigo de uma janela e depois a própria janela. Rodopiou sobre os calcanhares e verificou que muitas outras havia por abrir. Nunca se apercebera de como se haviam fechado, trancado, vedado. Era a hora de as escancarar! O sentimento de conforto foi sendo substituido pelo de receio, mas a vontade de o vencer era superior ao mesmo. Os móveis estavam poeirentos, baços, sem cor e sem cheiro. Tinham estado demasiado tempo naquela escuridão. Não podiam assim continuar e havia a necessidade extrema de os voltar a fazer brilhar. O esplendor de outrora voltaria àquela casa dentro de algum tempo. Com esforço, com lágrimas, com sorrisos. Muitos objectos teriam de ser postos de parte para dar lugar aos novos que viriam. Do velho surgiria um novo ainda mais resplandecente.

Proximidade


Há distâncias que não se medem pelas pedras lisas da calçada.
Há distâncias que não se contabilizam no correr das estações.
Outras há que se vêem nas palavras, que se ouvem nos silêncios e que nos gestos se fazem sentir...

...ou na ausência de todos eles!

Horizontes longínquos


Momentos há em que precisamos de ajuda para ver mais longe. A realidade circundante aparece desfocada e não nos preenche.

(Re)Leituras


Leio. Releio. Volto a ler. Viro páginas. Avanço linhas.
Palavras minhas, dos outros... dum passado que não teve futuro, dum presente que nunca existiu.
Frases que me fazem sorrir, outras que me inundam o olhar.
Histórias que fazem a minha história, remotas ou recentes, e que por muitas letras que destrua ficarão sempre na memória.

Dilema



De que serve ser-se extraordinário se o que se requer é a perfeição?

Transparências




















Sinto-te como uma ausência presente que contempla os meus passos.
Caminhamos sem saber por onde, procurando não se sabe o quê.
Vens. Ficas. Permaneces. E deixas-me ir.

Conclusão



Afinal não o amava. Amava sim a ideia de o amar.
Era um alívio chegar a esta conclusão.

Sede


Aproveitar cada minuto de nós com a sofreguidão de uma ave sedenta do mais saboroso néctar.

O maior pecado:


A gula!
Onde o doce apela ao salgado,
os sabores, os odores e as texturas
se misturam
e a razão dá lugar à paixão.

Distâncias


Há distâncias que se percorrem com a ponta dos dedos.
Há distâncias que se completam com o olhar.
Outras há que não chegam a ser cumpridas.

Refrescar-te


Pudesse eu
ser o frio
que te refresca a boca;
Ser o gelo
que te aquece a alma;
Ser o fresco
que derrete em ti.
Pudesse eu
ser o coração que bate no teu peito,
sentindo o teu olhar
negro,
profundo,
único,
sobre o meu.
Pudesse eu
derramar sobre ti
o arrepio que me cobre o corpo
e me alimenta.

E o poder da leitura?

Cada palavra,
cada frase,
cada página.
Fico presa por pontos, vírgulas
e outros mais.
Histórias que me embalam os sonhos,
mensagens que me acompanham o sono,
ideias que ficam
vivas,
fervilhantes,
contagiantes.
Partilho-as na ponta de um lápis,
anoto-as,
guardo-as para mim. Volto, releio, regresso
e revivo as emoções.

O poder da escrita


Escrever conduz-me por caminhos outrora desconhecidos.
Faz-me sonhar,
desejar, libertar
dúvidas,
fraquezas,
paixões...
Leva-me a
visitar sentimentos usando palavras nunca pronunciadas.
Palavras de múltiplos sentidos,
palavras únicas no seu contexto,
palavras
que voam,
que dançam,
que flutuam
e se libertam de medos e preconceitos.
Palavras que se libertam da mente
pelos dedos que as escrevem,
pela tinta que as marca para sempre.

Ser


Ser água e saciar a tua sede.
Ser sol e aquecer o teu corpo.
Ser paleta de cores e pintar o teu sorriso.
Ser fogo de artifício e iluminar o teu olhar.
Ser borboleta, pousar no teu ombro e ser levada por ti.

Vida


Partimos de um livro em branco.
Cada página irá contar uma história
intemporal, de preferência.
Que se leia, releia e se volte a ler.
Que faça sorrir, derramar lágrimas de tristeza
e despertar nostalgia. Que faça
sonhar
e antever o futuro.

O livro vai sendo escrito,
pelas minhas,
pelas tuas,
pelas nossas mãos.
Um conjunto de palavras
originadas por acontecimentos,
fantasias...

Histórias de ontem, de hoje e de amanhã.

Há dias assim...


Olha-se o céu cinzento,
Mas o que se vê é o azul atrás das nuvens.
Sente-se o vento frio,
Mas a nossa pele é acariciada por uma brisa morna.
Saboreia-se algo insosso,
Mas o nosso palato experimenta uma explosão de sabores.

Liberdade...


... de poder escolher o caminho a seguir.
... de viver cada minuto como se fosse o último.
... de sonhar o impossível.
... de desejar o realizável.
... de estar onde a vontade impera.
... de amar sem limites
... de gritar bem alto "SOU FELIZ"!

Flutuar


A sensação única de flutuar sabendo-se seguro, que nada de mal pode acontecer porque algo ou alguém está ali para cuidar.

SMS - Simples Mensagens Soltas

Sorrisos que nascem sob o olhar atento da lua.
Vozes sussurradas debaixo de um manto de estrelas brilhantes.
Palavras trocadas no breu universal.
Olhares que se sentem não sendo vistos.

Presentes


Queria alcançar a estrela mais alta, embrulhá-la e dar-ta de presente.
Na impossibilidade física aceitas a intenção?

Pares


O que se completa deveria estar junto, caminhando numa mesma direcção.

Efeito de íman


Opostos que se atraem,
sabores que se misturam sem que percam a sua riqueza.
Sensações de frio, calor, excitação ou desolação
que percorrem o corpo e minam a alma.

Feira dos sonhos


Instruções:
Escolha o cesto nas cores que mais lhe agradar e recheie-o com os seus sonhos.
Não tenha medo, prenda os pés ao chão e sonhe bem alto.
Feche os olhos e deixe-se levar pela imaginação.
Boa sorte! Não desista!Persiga cada um deles!

Nota: Não confundir sonho com ilusão!

Amanhã


Quero sentir o teu sorriso nos meus lábios.
Quero ver a tua alma nos meus olhos.
Quero sentir a tua cumplicidade nos meus gestos.

A nossa felicidade


A felicidade pode esquecer-se de nós, mas nós temos o dever de não esquecer que ela existe!

Mimos


O prazer de um doce roubado é como aquele que advém de um mimo inesperado.

Atrevam-se!


Moldem a vida com as formas que vos fazem sorrir, sonhar e viver.
Recheiem-na com cores e sabores de alegria.
Cubram-na com sonhos e desejos.
Consumam-na com prazer.

Medos


O medo de errar atrofia qualquer iniciativa.
O medo de sonhar impede-nos de viver a realidade.
O medo de mergulhar não nos permite descobrir maravilhas.
O medo de voar fecha as portas da liberdade.
O medo de sorrir fecha-nos todos os outros sorrisos.
O medo de amar encerra-nos o corpo, o coração e a alma erquendo muralhas de difícil destruição.
O medo de cair proíbe passadas largas e caminhos sinuosos, que no final possam ser cor-de-rosa.
O que é, então, o medo? Uma invenção da mente que nos impede de sorrir, de sentir, de viver...

Recomeçar


Tarefa complicada, independentemente da natureza da acção.
Reunir forças de todos os lados exige dedicação, esforço e vontade redobrados.

Vamos fugir?



Para onde o tempo pára e o relógio não dá horas.
Para onde o horizonte fica ao alcance de um beijo.
Para onde a paisagem congela e nós somos protagonistas.
Para onde me deixo perder, para que tu me encontres.

Oriente longínquo


Flores, frutos,
aromas, sabores,
retratos pintados
Nascidos de uma qualquer paleta;
Sorrisos esboçados
Disfarçando o pesar dos dias;
Olhares atentos
captando com curiosidade cada detalhe;
Flores coloridas;
Frutos suculentos;
Aromas frescos;
Sabores exóticos

No vislumbre de uma estrela cadente...


Quero sentir nas pontas dos dedos o teu arrepio
e dentro do meu peito o bater do teu coração.

Vida


Reflexos de ontem, de hoje,
projecções de amanhã...
Cores vivas, desfocadas
pelo correr manso das águas.
Histórias que serão contadas,
acrescentadas, diluidas pelo tempo.
Outras que se deixam levar
e ficam apenas na memória.

Mostra-me os teus sentidos


Mostra-me o azul do teu céu,
onde as nuvens tomam formas imaginárias
que nos enchem os sonhos
e nos preenchem os dias.

Mostra-me o canto dos teus pássaros
que orquestram melodias de encantar
e se alimentam nas nossas mãos.

Mostra-me a temperatura das tuas águas,
onde mergulhamos e nos refrescamos,
onde nos aquecemos e nos perdemos.

Mostra-me o sabor do delicioso,
partilhado num beijo de cerejas
amadurecidas nos raios de sol primaveris.

Mostra-me o teu odor baunilhado
com que temperas cada gesto, cada momento...
e nos deixa em êxtase.

Cor-de-rosa


Mensagens sem resposta flutuam no escuro.
Silêncios prolongados que agonizam.

Retiro-me a tempo de a escuridão
não se tornar negra.
Afinal, o meu mundo nasceu
para ser cor-de-rosa.

São infinitos os caminhos do mundo!



Por vezes encontram-se,
Cruzam-se,
Tocam-se,
Fundem-se,
Irmanam-se,
Interpretam-se...

E nestes caminhos cruzados,
Há histórias imortais,
Ha momentos eternos,
Há factos inesquecíveis,
Há vidas que não se apagam,
Há imagens permanentes,
Há pequenos nadas tão importantes...

Há pessoas que se cativam,
Que se completam,
Que se entregam,
Que se partilham,
Que se querem bem...

(Autor desconhecido)

Vencer


Reuno forças.
Vêm de longe, de perto, de dentro, de fora.
Repentinamente apercebo-me do que me rodeia.
Fico surpreendida.
Hei-de conseguir!
Hei-de vencer!

Sussurro


Permaneço invisível.
Não me vês.
Um sopro no pescoço e
um susssurro no ouvido
denunciam-me.
Vês-me? - Sinto-te!
Sentes-me? - Desejo-te!
Desejas-me? - Quero-te!
Queres-me?
-Tenho-te!

Ópio


Palavras demonstradas em gestos simples.
Gestos simples que nos transmitem certezas.
Certezas que nos alimentam a vida.

Muralhas


Construidas para defesa,
quase sem se dar por isso.
Areia, água, pedra.
Endurecidas sob o olhar atento do Tempo.
Cimentadas sobre o Medo.
Ocultadas pela Vergonha.
Destruídas...
Destruidas, não. Ainda não.
Em fase tardia e morosa
de total demolição

Cumplicidade


Abraços silenciosos escritos num tempo indefinido.
Palavras ditas ao acaso levadas pelos sentimentos e embaladas pelas mãos da vida.

Onde estás?


Viajante dos sonhos longínquos,
por onde andas?
Poeta dos meus escritos,
por onde escreves?
Deixas as palavras escritas no vento,
os versos nos mares distantes,
os poemas noutros continentes.
Quero ver-te,observar-te, admirar-te
Quero ler-te,interpretar-te,entender-te.