Oriente longínquo


Flores, frutos,
aromas, sabores,
retratos pintados
Nascidos de uma qualquer paleta;
Sorrisos esboçados
Disfarçando o pesar dos dias;
Olhares atentos
captando com curiosidade cada detalhe;
Flores coloridas;
Frutos suculentos;
Aromas frescos;
Sabores exóticos

No vislumbre de uma estrela cadente...


Quero sentir nas pontas dos dedos o teu arrepio
e dentro do meu peito o bater do teu coração.

Vida


Reflexos de ontem, de hoje,
projecções de amanhã...
Cores vivas, desfocadas
pelo correr manso das águas.
Histórias que serão contadas,
acrescentadas, diluidas pelo tempo.
Outras que se deixam levar
e ficam apenas na memória.

Mostra-me os teus sentidos


Mostra-me o azul do teu céu,
onde as nuvens tomam formas imaginárias
que nos enchem os sonhos
e nos preenchem os dias.

Mostra-me o canto dos teus pássaros
que orquestram melodias de encantar
e se alimentam nas nossas mãos.

Mostra-me a temperatura das tuas águas,
onde mergulhamos e nos refrescamos,
onde nos aquecemos e nos perdemos.

Mostra-me o sabor do delicioso,
partilhado num beijo de cerejas
amadurecidas nos raios de sol primaveris.

Mostra-me o teu odor baunilhado
com que temperas cada gesto, cada momento...
e nos deixa em êxtase.

Cor-de-rosa


Mensagens sem resposta flutuam no escuro.
Silêncios prolongados que agonizam.

Retiro-me a tempo de a escuridão
não se tornar negra.
Afinal, o meu mundo nasceu
para ser cor-de-rosa.

São infinitos os caminhos do mundo!



Por vezes encontram-se,
Cruzam-se,
Tocam-se,
Fundem-se,
Irmanam-se,
Interpretam-se...

E nestes caminhos cruzados,
Há histórias imortais,
Ha momentos eternos,
Há factos inesquecíveis,
Há vidas que não se apagam,
Há imagens permanentes,
Há pequenos nadas tão importantes...

Há pessoas que se cativam,
Que se completam,
Que se entregam,
Que se partilham,
Que se querem bem...

(Autor desconhecido)

Vencer


Reuno forças.
Vêm de longe, de perto, de dentro, de fora.
Repentinamente apercebo-me do que me rodeia.
Fico surpreendida.
Hei-de conseguir!
Hei-de vencer!

Sussurro


Permaneço invisível.
Não me vês.
Um sopro no pescoço e
um susssurro no ouvido
denunciam-me.
Vês-me? - Sinto-te!
Sentes-me? - Desejo-te!
Desejas-me? - Quero-te!
Queres-me?
-Tenho-te!

Ópio


Palavras demonstradas em gestos simples.
Gestos simples que nos transmitem certezas.
Certezas que nos alimentam a vida.