Saudades



Saudades que nunca chegam a morrer nem nunca chegam a ser mortas.
Saudades que amordaçam um presente inexistente a um futuro incerto, preenchido pelo vazio do que nunca foi, do que não é, e do que poderá não ser.

Sem comentários: