Dia-a-Dia


As horas mentem-nos
e os dias enganam-nos. Correm
lentamente apressados sem surpresas.
Passam, qual nuvem a pairar no céu:
branca, leve, despreocupada;
cinza, pesada, atormentada.
Pesa o acordar,
sabendo, de antemão,
o que o segue:
os mesmos poucos rostos
os mesmos muitos problemas
o mesmo tudo.

Há também os raios de sol
que espreitam por entre o céu carregado
e nos atingem, iluminam, aquecem.
Benvindos esses que são raros
que fazem esquecer os rostos, os problemas, o tudo.
Fazem-nos acreditar que virão mais vezes
e é nessa esperança que se baseia cada adormecer.

Abraçar o mundo


Por vezes a vontade de abraçar o mundo torna-se imensurável. Não há braços, alma ou coração suficientemente grandes para o conseguir...pelo menos de uma só vez.
É necessária vontade, persistência e afinco para lá chegar.
Tenho a certeza que chego lá.