Fortuna


Diálogos surdos que povoam a imaginação de ruídos suportáveis.
Gestos medidos. Palavras (pre) meditadas,
onde nada acontece por acaso,
onde a fortuna não é sorteada numa qualquer roda de feira ambulante.
Ou não:
os diálogos continuam a ser surdos,
mas os gestos e as palavras surgem a partir dos seus antecessores
e, afinal, a roda gigante da fortuna desliza a uma velocidade vertiginosa.

1 comentário:

Tinta no Bolso disse...

a voragem passou aqui para este lado
tal a força, e agora não consigo escapar...