Num sonho


Adormecia no sonho que não era seu.
Aquele que lhe contavam vezes sem conta e que já sabia de cor.
Aquele que se fundia com os dias dispersos de uma vivência casual.
Aquele cujos pormenores se confundiam com a realidade.
Despertou. Adormeceu, pois era no sonho que queria viver.

6 comentários:

Aluada disse...

Dreaming!

cereja de marte disse...

Quantas vezes tenho vontade de permanecer no sonho e nao voltar!

Tiago Nené disse...

fantastico, mana:)

de fazer inveja aos "grandes" escritores!

bj

Cerejinha disse...

aluada: sempre!

cereja de marte: benvinda à minha cerejeira!:-)

tiago: um elogio destes vindo de ti, poeta, até me faz corar :-P

Tinta no Bolso disse...

com a vantagem de se poder acordar dos pesadelos

Cerejinha disse...

tinta: esses ficam à porta, nem chegam a entrar :-)