...e o último!

Imagem >
Há muito que esta morte era anunciada, mas prefiro dar-lhe o nome de sono profundo, pois deste é possível acordar - se não aqui, noutro qualquer lugar. Da morte não se regressa, mesmo para quem em Deus acredita.
Num acto de puro egoísmo guardei para mim cinco anos de Cerejas Maduras. Não os quero partilhar com ninguém e peço que respeitem a minha decisão. Comecei por escrever para mim, como quem escreve, clandestinamente, numa parede de uma rua pouco frequentada. Às tantas dei comigo a escrever em todas as paredes da rua, e atraídos nem sei pelo quê, os transeuntes começaram a surgir e a rua ficou povoada.

Obrigada a todos os que partilharam comigo este espaço durante os últimos cinco anos!

Não tomem esta despedida como um ADEUS, por favor, vejam-na como um ATÉ JÁ. A cerejeira vai continuar aqui e a Cerejinha não vai para longe.