Da palavras

Apetece-me gastar a tinta.
Apetece-me esgotar todas as linhas.
Apetece-me escrever - escrever - furiosamente!

As palavras são infinitas
e dançam na ponta dos meus dedos
uma música sem fim.
Sinto-as flutuar num mar a perder de vista de emoções.
Não as quero perder.
Preciso de todas neste momento
de - quase - insanidade.
São minhas. Todas.
Só minhas. Mesmo.

Páro. Respiro,

e deixo-as deslizar como uma sinfonia
em que eu sou o maestro
que as conduz.

1 comentário:

cp disse...

gostei da frescura do seu blogue!

http://apparemmentideal.blogspot.pt